ARTIGO: Algumas reflexões sobre a temporada Covid 19

Ana Gati*

Refletindo um pouco sobre o ano que passou e as incertezas que vivemos, estou certa de que todos precisamos de um 2021 muito melhor que 2020.

A única coisa que sabemos nesse momento é que a vacinação começou e esperamos que acabe esse ano. Com o alinhamento das cadeias produtivas globais das vacinas às demandas e maior confiança das vigilâncias sanitárias dos países, todo esse processo de vacinação tende a ganhar mais velocidade e deverá terminar até o final de 2021. Com isso, poderemos ter pelo menos o último trimestre de vida mais normal em 2021 – apesar das máscaras, álcool e a convivência com todos os protocolos criados.

Muito se tem escrito sobre a vida pós Covid, como será a sociedade depois disso. Gostaria de trazer algumas reflexões que tenho feito sobre esse impacto na gestão das empresas e conselhos:

1-Aprendemos a ficar em casa, querendo ou não! Descobrimos que os valores da vida em família e das rotinas da casa são essenciais para nosso bem-estar. Impressionante como as viagens, trânsito e stress para nos locomover nos consome e desgasta. Creio que a realidade mais balanceada em termos de alocação do nosso tempo veio para ficar. Além disso estamos aprendendo a fazer outros tipos de trabalho remoto: workshops, diferentes interações com equipes à distância com muita qualidade. Sem contar a enormidade de cursos que tem aparecido ultimamente, utilizando diferentes plataformas tecnológicas com excelentes profissionais de qualquer lugar do mundo. A efetividade de aprendizado remoto para os jovens é mais difícil, entretanto para profissionais mais maduros é muito interessante.

2– Efetividade das reuniões nas empresas e conselhos: claro que é bom encontrar as pessoas em reuniões e eventos. Sem sombra de dúvida, as reuniões remotas são muito mais eficientes, apesar da falta que sentimos das interações presenciais. Os encontros online são mais diretos, organizados e temos a tecnologia a nosso favor. Estamos gastando menos carbono e conseguindo nos organizar para ter mais tempo para leituras, cursos e atividades pessoais que não tínhamos antes em virtude do trânsito e de uma série de fatores adicionais. Provavelmente depois da Covid-19 teremos um meio termo de remoto e presencial. Excelente!

3- A aceleração digital que ganhamos, incrível! creio que ganhamos 10 anos em 1 ano! Agora não é mais um nice to have, mas um must haveSe alguma empresa tinha alguma desculpa para não investir em digital, em função de outras prioridades, essa mentalidade mudou. As compras e entregas remotas passaram a fazer parte da nossa rotina, porém agora não será mais por restrições de contato e sim para otimizar nosso tempo.

Sem contar que do lado dos negócios, podemos melhor utilizar da tecnologia de cloud – inovação mais simples e mais fácil de escalar – acelera desempenho e transformação digital. Incorporação de IA como necessidade dos negócios para melhor entendimento das informações e solução de problemas. Encurtamos os tempos das cadeias produtivas desde a captura do pedido, manuseio e cobrança final – portanto, menor tempo entre o pedido e o dinheiro no bolso. Gestores e conselheiros agora precisam ser mais cautelosos sobre os aspectos de segurança de dados e riscos, tema em constante mudança. O futuro é aqui e agora!

4- ESG ou ASG– Ambiental, Social e Governança- essas três letrinhas que estão virando a cabeça dos negócios, para o bem! Há 10 anos, quando comecei a estudar sobre sustentabilidade não conseguia imaginar o tamanho da relevância desse tema.

Que maravilha ver os negócios e cidades agora competindo para ver quem consegue atingir primeiro: descarbonização, zero descarte e reciclagem, eliminação de materiais agressivos para o meio ambiente, economia circular de verdade, transparência, diversidade, dentre outros. Competição para o bem!

Nunca vi tantos cursos sobre ESG e gestão de riscos.

Não precisamos ser experts em todos esses temas: ESG, IA, digital, segurança de dados comportamentos … dentre outros? Precisamos sim aprender sobre os fundamentos desses assuntos para conseguirmos ter insights e ajudar os negócios nos seus desafios competitivos. Ajudar na transformação necessária para cada negócio. Ajudando também o desenvolvimento das equipes de trabalho, ampliando suas habilidades e competências.

Com certeza não podemos esquecer os pontos difíceis dessa pandemia, mas estou certa de que, apesar de tudo, a humanidade vai sair mais forte desse momento difícil. Também mais consciente da finitude humana e com mais compaixão com o outro.

*Ana Gati é conselheira consultiva no OSB-SP, doutora em Inovação e Sustentabilidade, mestra em Inovação e Manufatura pela FEA USP e sou engenheira pela UNICAMP

OSB-SP entra para coalizão de Estratégia ODC

Objetivo é contribuir com agenda mundial prevista para até 2030  adotada durante a Cúpula das Nações Unidas de 2015 sobre o desenvolvimento sustentável

O Observatório Social do Brasil – São Paulo (OSB-SP) entrou na última quarta-feira (17/02) para a Estratégia ODS, uma coalizão que reúne organizações representativas da sociedade civil, do setor privado, de governos locais e da academia. O propósito é ampliar e qualificar o debate a respeito dos objetivos de desenvolvimento sustentável no Brasil e mobilizar, discutir e propor meios de implementação efetivos para essa agenda.

O que são os ODS?

Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) são uma agenda mundial adotada durante a Cúpula das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável em setembro de 2015 composta por 17 objetivos e 169 metas a serem atingidos até 2030.

Nesta agenda estão previstas ações mundiais nas áreas de erradicação da pobreza, segurança alimentar, agricultura, saúde, educação, igualdade de gênero, redução das desigualdades, energia, água e saneamento, padrões sustentáveis de produção e de consumo, mudança do clima, cidades sustentáveis, proteção e uso sustentável dos oceanos e dos ecossistemas terrestres, crescimento econômico inclusivo, infraestrutura, industrialização, entre outros.

Clique aqui para saber mais sobre a Estratégia ODC.

*Por: Redação OSB-SP, com informações da Estratégia ODS