OSB-SP presta contas e apresenta planejamento para 2019 em Assembleia Geral

Presidente do OSB-SP, Paulo de Oliveira Abrahão, durante abertura da Assembleia Geral (Foto: David Nascimento/OSB-SP)

No dia 30 de maio de 2019, o Observatório Social do Brasil – São Paulo (OSB-SP) realizou Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária em sua sede na FECAP da Liberdade, Centro da capital. O encontro teve mais de 20 participantes, incluindo diretoria, conselheiros, coordenadores, associados e convidados, e a abertura foi realizada pelo presidente da organização, Paulo de Oliveira Abrahão, que apresentou o planejamento estratégico feito para 2019.

“Comparando 2018 com 2017, os nossos resultados foram muito mais consistentes. E com a elaboração do nosso planejamento estratégico no fim do ano passado, nós tivemos condições de identificar nossos principais pontos fracos, que já estão sendo trabalhados neste ano e, por conta disso, esperamos em 2019 ter um aumento de resultados e de recursos tanto humanos quanto financeiros para atingirmos nossos objetivos”, apontou Abrahão sobre os levantamentos apresentados.

Os principais objetivos da Assembleia foram a prestação e aprovação de contas do exercício social encerrado no dia 31 de dezembro de 2018, contando com o relatório de atividades e as demonstrações contábeis do ano, e a apreciação e aprovação do Plano de Atividades e Previsão Orçamentária de 2019.

A apresentação dos trabalhos do OSB-SP desenvolvidos em 2018 ficou por conta da vice-presidente operacional da instituição, Gioia Tumbiolo Tosi, que destacou os projetos Aprendendo a Fiscalizar, Avaliação de Política Pública: Núcleo de Convivência do Idoso, Conhecendo a Câmara de Vereadores, Cuidando do Meu Bairro, Monitoramento do Legislativo e Monitoramento de Licitações.

A Assembleia Geral também contou com as exposições da previsão orçamentária de 2019, apresentada por Abrahão; da captação de recursos, feita pelo vice-presidente de Relações Institucionais, Paulo Surnin; dos projetos em andamento, pela coordenadora de projetos, Letticia Rey; e sobre o setor de comunicação e atividades administrativas, pela Bárbara Alcalde.

Diretoria, conselheiros, coordenadores e associados do OSB-SP (Foto: Cláudio Ramos/OSB-SP)

*Por: Redação OSB-SP

OSB-SP participa do ciclo de palestras “Sociedade Civil e Governo: Um relacionamento em desenvolvimento”

Além do OSB-SP, participaram do evento a ONG Transparência Brasil e a ponteAponte, abordando como o relacionamento entre administração pública e sociedade civil tem se aprimorado nos últimos anos

Da esquerda para a direita, os palestrantes Galdino, Abrahão e Aoqui (Foto: André Takara/OSB-SP)

No dia 14 de maio, o presidente do Observatório Social do Brasil – São Paulo (OSB-SP), Paulo de Oliveira Abrahão, palestrou durante o evento “Sociedade Civil e Governo: Um relacionamento em desenvolvimento”, realizado no Espaço Manacá, na sede do Conselho Regional de Administração de São Paulo (CRA-SP), Jardim América, Zona Oeste da capital. O objetivo do encontro foi debater a relação entre a administração pública e a sociedade civil, abordando como esse relacionamento tem se aprimorado nos últimos anos, com políticas de transparência, dados abertos e outras iniciativas que aproximam os dois setores.

Além do OSB-SP, o evento contou ainda com representantes de mais duas instituições, nas palestras do presidente da ONG Transparência Brasil, Manoel Galdino, doutor em ciência política pela Universidade de São Paulo (USP), e do diretor-executivo da ponteAponte (pAp), Cássio Aoqui, jornalista e professor de Inovação e Empreendedorismo Social da Fundação Instituto de Administração (FIA).

Para o presidente do OSB-SP, os participantes do ciclo de palestras, em maioria administradores, já têm um conhecimento sobre o assunto e uma predisposição em ter interesse pelo controle social. “A gente conversa com os amigos e muita gente está indignada com o problema da corrupção, do desvio de dinheiro, com o desperdício de dinheiro público. Como nós dizemos no OSB, ficar indignado é importante, mas ter atitude é mais importante ainda, é fundamental”, instigou Abrahão durante a palestra.

O evento foi realizado pelo CRA-SP e pelo Grupo de Excelência em Administração do Terceiro Setor (GEATS).

*Por: Redação OSB-SP

Observatórios Sociais de São Paulo e Santa Maria reúnem-se para troca de experiências

Da esquerda para a direita, Gioia, Abrahão, Letticia e Sílvia

No dia 30 de abril, o Observatório Social do Brasil – São Paulo (OSB-SP) recebeu a visita da presidente do Observatório Social de Santa Maria (RS), Sílvia Vantobel. Durante a reunião, que contou com a participação do presidente do OSB-SP, Paulo de Oliveira Abrahão, da vice-presidente, Gioia Tumbiolo Tosi, e da coordenadora de projetos, Letticia Rey, foi promovida a troca de experiências e de ideias de trabalho em rede.

Para Abrahão, apesar da distância e diferenças entre as cidades, os problemas e desafios dos dois Observatórios são muito semelhantes. “Foi interessante trocar essas experiências, principalmente na área de monitoramento de licitações e acompanhamento do Legislativo, para entender melhor o que os outros OSBs estão fazendo e como nós podemos aprender um com o outro”, disse o presidente.

Sílvia Vantobel destacou a qualidade no trabalho de capacitação de voluntários na cidade de São Paulo. “Considero de extrema importância a troca de informações que acontecem nestas visitas. Conhecer o trabalho e dividir experiências traz um enriquecimento para todos. Pude ver que o OSB-SP está produzindo resultados e fazendo um excelente trabalho de formação de voluntários”, afirmou.

*Por: Redação OSB-SP

Observatório Social do Brasil – São Paulo participa do maior evento de voluntariado do mundo

A quarta edição brasileira do Dia das Boas Ações, organizado pela Atados, levou mais de 20 ONGs ao Parque do Ibirapuera para divulgar a importância do trabalho voluntário. O OSB-SP teve uma tenda na “Feira de ONGs” e apresentou a importância do controle social aos participantes

Equipe do OSB-SP na “Feira de ONGs” do Dia das Boas Ações 2019

O Dia das Boas Ações (DBA) 2019 mostrou que a terra da garoa não deixa de trabalhar nem com uma boa tempestade. Apesar das chuvas do último sábado (06/04), 20 organizações não governamentais (ONGs) apresentaram seu trabalho à centenas de pessoas que passaram pelo Parque do Ibirapuera em meio a diversas atrações artísticas e culturais da edição paulista do maior evento de voluntariado do mundo. Três milhões de pessoas são mobilizadas anualmente em mais de 90 países. Por aqui, a responsabilidade de levar o tema da transparência pública para o DBA foi do Observatório Social do Brasil – São Paulo (OSB-SP), que teve uma tenda na “Feira de ONGs” para explicar como a organização e seus projetos funcionam.

“Quando pensamos em trabalho voluntário, normalmente vêm à cabeça ações na área da saúde, educação, assistência social, etc. A relação entre o cidadão e o poder público raramente é lembrada, pois não temos a cultura de cobrarmos nossos direitos. Daí a importância de incluirmos o controle social como uma das ações de destaque do DBA: divulgá-lo como uma forma de trabalho voluntário para o cidadão que quer mudar nossa realidade de baixa eficiência e pouco controle dos gastos públicos, e não apenas indignar-se com ela”, salientou o presidente do OSB-SP, Paulo de Oliveira Abrahão.

Presidente, Paulo de Oliveira Abrahão, e vice-presidente, Gioia Tumbiolo Tosi, do OSB-SP, participam da equipe de ação do DBA

Para o voluntário Alexandre Gama de Souza, de 21 anos, o envolvimento no DBA foi uma experiência diferente. “Fui capaz de verificar que as pessoas não participam ativamente da fiscalização dos governos, não porque não querem, mas sim por falta de conhecimento dos mecanismos de fiscalização a disposição.” Souza lembrou da importância do trabalho em rede para aumentar a união e expressividade do terceiro setor. “Um evento como o DBA, onde se congrega diversas ONGs, é superinteressante, pois sabemos que a realidade não é feita de caixinhas isoladas, mas de interdisciplinaridade e multidisciplinaridade, tornando muito melhor e mais forte o movimento”, concluiu.

Em 2019, o DBA está em sua quarta edição no país, realizado pela ONG Atados e produzido pela Muda Cultural. Nina Faria, coordenadora da Atados e do Dia das Boas Ações no Brasil, destacou que todas as edições do DBA tiveram sempre o mesmo foco: “fortalecer o terceiro setor e inspirar nossas pessoas a se tornarem voluntários”. Segundo ela, as organizações estão muito mais participativas em todas as frentes do evento. “Nesta edição, conseguimos ir além. 70% das atrações e oficinas foram realizadas por ONGs: espetáculo de dança com jovens com síndrome de down, teatro de idosas, teatro com pessoas cadeirantes e deficientes visuais, circo social, percussão, jogos cooperativos e muito mais. Achamos importante poder contemplar o trabalho do terceiro setor em outras etapas do projeto, por isso, parte da cenografia foi realizada por três projetos sociais diferentes.”

Área próxima à Marquise do Ibirapuera, onde aconteceu o DBA

O trabalho continua!

Para aprofundar o conhecimento e a participação de quem se interessou pelas ONGs durante o DBA, a Atados organizou a Semana Social, onde as organizações disponibilizam palestras, cursos, oficinas e atividades culturais e artísticas ligadas a suas áreas de atuação. A programação começou no dia 8 e vai até o dia 14 de abril. O OSB-SP oferece, a partir de amanhã (10/04), três oficinas de controle social. Confira:

Oficina de Monitoramento de Licitações
Data: 10/04
Horário: 19h às 21h

Oficina de Monitoramento do Legislativo
Data: 11/04
Horário: 19h às 21h

Oficina do Cuidando do Meu Bairro
Data: 12/04
Horário: 19h às 21h

Para participar, basta se inscrever enviando um e-mail para o OSB-SP (saopaulo.adm@osbrasil.org.br) com o nome completo do(s) participante(s) e oficinas que irá participar. Todas serão realizadas na Fecap – Liberdade.

Confira aqui a agenda completa da Semana Social!

O início do Dia das Boas Ações 

O DBA começou em 2007, lançado pela ONG israelense Ruach Tova. A ideia foi da empresária e filantropa Shari Arison e, já no primeiro ano, teve 7 mil participantes. O objetivo era estimular pequenas ações e doações e, hoje, mobiliza mais de 3 milhões de pessoas em mais de 90 países pelo mundo. 

*Por: Redação OSB-SP

Quer participar do maior evento de voluntariado do mundo? Saiba como!

No dia 6 de abril, pelo menos 30 ONGs apresentarão seu trabalho no Parque do Ibirapuera durante o Dia das Boas Ações (DBA), organizado pela ONG Atados. O evento é aberto e ocorrerá entre das 9h às 19h. Os interessados poderão conhecer diversas formas de fazer boas ações na Feira de ONGs e ainda aproveitar três palcos e diversas apresentações artísticas.

O OSB-SP, que terá uma tenda para levar a importância do controle social ao DBA, também oferecerá, na Semana Social, que acontece entre os dias 8 e 14 de abril, quatro oficinas para quem tiver interesse em um primeiro contato com o tema. Confira abaixo as oficinas do OSB-SP na Semana Social:

Oficina de Monitoramento de Licitações
Data: 10/04
Horário: 19h às 21h

Oficina de Monitoramento do Legislativo
Data: 11/04
Horário: 19h às 21h

Oficina do Cuidando do Meu Bairro
Data: 12/04
Horário: 19h às 21h

Para participar, basta se inscrever enviando um e-mail para o OSB-SP (saopaulo.adm@osbrasil.org.br) com o nome completo do(s) participante(s) e oficinas que irá participar. Todas serão realizadas na Fecap – Liberdade.

Muitas outras ONGs participarão da Semana Social. Confira aqui a agenda completa do DBA!

*Por: Redação OSB-SP

OSB-SP participa da semana internacional de governo aberto 2019

A vice-presidente do Observatório Social do Brasil – São Paulo, Gioia Tumbiolo Tosi, palestrou sobre a participação social e as atuais práticas de descentralização de poder no município

Painel “Em que pé estamos?”, durante semana internacional de governo aberto.

O Observatório Social do Brasil – São Paulo (OSB-SP) participou, no dia 20 de março, do ciclo de palestras e debates “Participação social e Descentralização em São Paulo”, organizado pelo Fórum de Gestão Compartilhada de São Paulo como parte da semana internacional de eventos sobre governo aberto (Open Government Week 2019). O encontro aconteceu no Teatro da Galeria Olido, no Centro da capital. A vice-presidente do OSB-SP, Gioia Tumbiolo Tosi, palestrou durante o painel “Em que pé estamos?”, que buscou esclarecer como foram e como estão as práticas de participação social e descentralização no município. “Uma das principais formas de participação social é o próprio controle social, quando a população toma conhecimento dos processos governamentais, adquirindo poder de fiscalização e de cobrar com por políticas públicas ou necessidades populares. É para isso que o OSB-SP foi criado, para aproximar a população do poder público”, explicou Gioia.

O painel “Para onde vamos?” foi o responsável por debater quais são as possibilidades futuras para os temas no município. O evento contou ainda com as palestras da Conselheira Municipal do distrito Butantã, Erika Caracho; da pesquisadora do Núcleo Democracia e Ação Coletiva do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (CEBRAP), Maira Rodrigues; da assistente de Projetos Integrados e Desenvolvimento Sustentável, Maria Angélica; da arquiteta e urbanista Joice Berth; da Valéria Motta, do Movimento Cultural das Periferias; da coordenadora de Desenvolvimento Econômico da Secretaria Municipal do Desenvolvimento Econômico, Helena Maria Grundig Monteiro; e do Silvio Ribeiro, da Geo Sampa.

*Por: Redação OSB-SP

OSB-SP apresenta segunda parte do estudo sobre o Núcleo de Convivência do Idoso na Câmara Municipal

300 mil idosos estão à espera de atendimento. Encontro contou com a participação da população, especialistas, usuários, gestores e profissionais de NCIs, além de representantes do poder público e do Grande Conselho Municipal do Idoso

Palestra da professora Marília Berzins, doutora em Saúde Pública pela USP,
durante Seminário – NCI

Nesta terça-feira (19/03), o Observatório Social do Brasil – São Paulo (OSB-SP) apresentou a segunda parte do estudo realizado pelo projeto Avaliação de Política Pública: NCI a mais de 160 pessoas no auditório Prestes Maia da Câmara Municipal de São Paulo (CMSP), na Bela Vista, Centro da capital. Dentre as informações, divulgadas como parte do “Seminário – NCI”, estiveram dados do levantamento feito com mais de 60 representantes, administradores e profissionais de Núcleos de Convivência do Idoso (NCI) no dia 21 de fevereiro, quando, na sede do OSB-SP na FECAP, foram produzidos relatórios divididos em quatro eixos com os principais desafios e dificuldades vividos na implementação dessas políticas.

De acordo com o coordenador do projeto, Rubens Casado, o objetivo do grupo de estudo e monitoramento é levar subsídios para que o município possa melhorar a política pública em prática através dos NCIs. “Os Núcleos de Convivência do Idoso servem para contribuir com o envelhecimento saudável, desenvolvimento de autonomia e sociabilidade, prevenção de vulnerabilidade e risco social da população idosa. Mas isso precisa chegar a todos os bairros da capital. Em praticamente metade os idosos não têm acesso a esses espaços, o que mostra a desigualdade”, explicou. Segundo a apuração do OSB-SP, apenas 50 dos 96 distritos da capital contam com uma ou mais unidades do NCI.

Dos cerca de 12 milhões de habitantes de São Paulo, quase 1,8 milhões são idosos, o equivalente a mais de 15% da população. Hoje, existem cerca de 13 mil vagas para pessoas de 60 anos ou mais nos 92 NCIs do município. 300 mil idosos estão à espera de atendimento. Para Sandra Gomes, coordenadora de Políticas para Pessoa Idosa da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania (SMDHC), levantar o perfil, quais são as características e as demandas da população ajudam todos os gestores a implantarem serviços. “É importante que possamos sair daqui com esses dados bem claros para que possamos usá-los. É um número insuficiente de NCIs, mas a perspectiva é que aumente. Esses espaços são extremamente necessários para garantir que o envelhecimento não seja um fardo, para que o idoso não fique deprimido por conta do isolamento social”, ressaltou Sandra.

A vice-presidente do OSB-SP, Gioia Tumbiolo, responsável por apresentar a parte qualitativa do estudo, destacou que a maioria das demandas levantadas com os profissionais dos NCIs envolviam financiamento, como o pedido de mais funcionários, o aumento no valor para as oficinas oferecidas e uma verba especifica para passeios. Ela alerta, porém, que o orçamento do município é aprovado pela Câmara e é necessário respeitá-lo até uma nova discussão em Plenário, no ano seguinte. “A Prefeitura assinou agora um decreto que haverá uma repactuação nos convênios com coleta de lixo, saúde e assistência. Muito provavelmente tem uma justificativa. Mas a gente sabe? Precisamos entender o que está acontecendo para poder debater com a Prefeitura”, afirmou.

Uma das palestrantes do evento foi Marília Berzins, doutora em Saúde Pública pela Universidade de São Paulo (USP), que também ressaltou a importância da CMSP. “Esta é uma Casa que dialoga com a população e trata do orçamento do município. Essa é a democracia participativa. Nós podemos colaborar para o avanço dessa política pública. A população avaliou, gerou estes resultados e está conversando com o governo. E mais, nós não podemos perder direitos adquiridos.  Temos que defender políticas públicas como uma política de Estado e não como política de governo”. Marília enfatizou que o poder público não pode se acomodar com o aumento do número de idosos. “Envelhecimento não é um problema social, é uma conquista. Isso se torna um problema se o Estado, a sociedade e as famílias não se prepararem antes”, concluiu.

Confira a matéria da TV Câmara sobre o “Seminário – NCI”:

Participaram do “Seminário – NCI”, ainda, a presidente do Grande Conselho Municipal do Idoso, Marli Feitosa; a presidente do Conselho Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional, Vera Helena Lessa Vilela; a coordenadora de Proteção Social Básica da Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (SMADS), Sylmara Ramires; Rubens Bossi, representando a secretária Especial de Relações Sociais da Prefeitura, Fátima Marques; e a líder do Centro de Referência do Idoso da Zona Norte, Lissa Lansky Ribeiro.

*Por: David Nascimento

Voluntários serão capacitados para três projetos nos dias 21 e 22 de março

O Observatório Social do Brasil – São Paulo (OSB-SP) fará a capacitação básica para futuros voluntários dos projetos Monitoramento de Licitações, Monitoramento do Legislativo e Cuidando do Meu Bairro.

Clique aqui para fazer a inscrição!

Datas e horários:

-Monitoramento de Licitações: dia 21/03/2019 às 19h

-Monitoramento do Legislativo: dia 21/03/2019 às 20h30

-Cuidando do Meu Bairro: dia 22/03/2019 às 14h

Local: FECAP (Av. da Liberdade, 532 – Liberdade – São Paulo)

Observatório Social do Brasil – São Paulo abre 50 vagas para voluntários em 2019

Interessados serão divididos entre quatro dos cinco projetos ativos do OSB-SP: Avaliação de Política Pública – NCI, Cuidando do Meu Bairro, Monitoramento do Legislativo, Monitoramento de Licitações

Oficina do projeto Cuidando do Meu Bairro

O Observatório Social do Brasil – São Paulo (OSB-SP) abriu, no mês de março, 50 vagas para voluntários que desejam participar do controle social no município. O objetivo é aumentar a transparência dos gastos públicos na capital paulista.

Os interessados serão divididos entre quatro dos cinco projetos ativos do OSB-SP e as oportunidades são válidas enquanto estiverem disponíveis. O primeiro passo para fazer parte do grupo de voluntários é fazer a inscrição para a apresentação mensal do OSB-SP, que acontece todas as primeiras quintas-feiras de cada mês. Confira um pouco sobre cada projeto com vagas abertas:

Avaliação de Política Pública – NCI 

Com 10 vagas disponíveis, o projeto monitora a política pública que estabelece o funcionamento do Núcleo de Convivência do Idoso (NCI), analisando os critérios de instalação das unidades, avaliando o funcionamento desses equipamentos e fiscalizando a correta aplicação dos recursos. 

Cuidando do Meu Bairro 

Com 15 vagas, o projeto capacita os moradores a fiscalizar as obras públicas de seu bairro com a utilização da ferramenta online Cuidando do Meu Bairro, desenvolvida pela USP e mantida pelo OSB-SP. 

Monitoramento do Legislativo 

Com 10 vagas, o projeto acompanha a produção legislativa e o desempenho da Câmara de São Paulo como um todo. O OSB-SP trabalha com metodologias de avaliação e produz conhecimento com linguagem cidadã para a população. 

Monitoramento de Licitações 

Com 15 vagas, o projeto monitora as licitações públicas que ocorrem no município de São Paulo. Os voluntários observarão todo o processo licitatório para garantir que haja a correta aplicação dos recursos públicos.

Novas vagas serão abertas conforme a volta das atividades dos projetos Capacita e Conhecendo a Câmara Municipal, que estão em reestruturação e aguardando formação de novas equipes de voluntários. Quem tiver interesse em formar um grupo para participar desses projetos também deve entrar em contato com o OSB-SP e fazer inscrição na palestra de apresentação mensal da ONG. 

Inscrições: 
E-mail: saopaulo.adm@osbrasil.org.br 
Tel.: (11) 3272-4288 
Endereço: Av. da Liberdade, 532 – Liberdade – São Paulo

*Por: Redação OSB-SP