Projeto de fiscalização do Núcleo de Convivência do Idoso define próximas ações da equipe

OSB-SP entregará levantamento regional sobre a presença e a qualidade do serviço nas cinco zonas da Capital a partir de dezembro 

Nesta terça-feira (27/11), a direção do projeto de fiscalização do Núcleo de Convivência do Idoso (NCI) reuniu-se para definir as próximas ações da equipe e planejar o primeiro trimestre de 2019. O encontro ocorreu na sede do Observatório Social do Brasil – São Paulo (OSB-SP) na Liberdade, Centro da capital, e contou com a participação da vice-presidente do OSB-SP, Gioia Tumbiolo Tosi, do coordenador do projeto, Rubens Casado, e do representante do Grande Conselho Municipal do Idoso, José Cicero Rosendo dos Santos.

De acordo com Casado, após os levantamentos iniciais, a partir do mês de dezembro o OSB-SP irá entregar um relatório regional sobre a presença dos NCIs nas cinco zonas do município. “O trabalho está sendo feito. Na sequência, veremos a qualidade dos serviços de cada Núcleo. Com as informações, saberemos se há mais desigualdade do que a já levantada entre os distritos e poderemos cobrar a Prefeitura. Metade dos 96 distritos não contam com esse serviço e muitos locais possuem mais de um NCI”, detalha.  

Na reunião, ainda foi acertado que o OSB-SP realizará, em fevereiro de 2019, um encontro com todos os diretores de NCIs. O objetivo será a troca de ideias e experiências e o aprofundamento do conhecimento sobre os desafios e dificuldades dessa política pública.

Coordenador do projeto de fiscalização do Núcleo de Convivência do Idoso no OSB-SP, Rubens Casado

Relembre: 

O projeto de monitoramento dos NCIs está dividido em duas etapas:  o levantamento do número de unidades existentes e em funcionamento na rede e o da qualidade dos serviços oferecidos.  “Nossa intenção é incentivar a ampliação da rede, sobretudo com a instalação de unidades nos distritos ainda não contemplados e, também, colaborar para o aperfeiçoamento dos serviços oferecidos”, explicou Rubens Casado. 

De acordo com a apuração do OSB-SP, apesar de existirem 90 NCIs em São Paulo, apenas 46 dos 96 distritos administrativos municipais da cidade contam com pelo menos uma unidade. Ou seja, em mais de 50% dos distritos não existe. 

Confira a última matéria sobre o projeto aqui.

*Por: Redação OSB-SP

OSB-SP monitora Núcleo de Convivência do Idoso na capital

Apenas metade dos 96 distritos administrativos municipais de São Paulo contam com NCIs

Imagem destacada
Dos cerca de 12 milhões de habitantes da cidade de São Paulo, mais de 1,7 milhões são idosos

No dia 22 de outubro, o Observatório Social do Brasil – São Paulo (OSB-SP) apresentou o projeto de fiscalização do Núcleo de Convivência do Idoso (NCI) à presidente do Grande Conselho Municipal do Idoso (GCMI), Marly Feitoza, na sede da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania (SMDHC), na Sé, Centro da capital. Duas reuniões, no Conselho de Representantes de Idosos e da Administração e na Assembleia Geral do Conselho do GCMI ainda serão agendadas com o objetivo de criar uma parceria e fortalecer o projeto do OSB-SP.

Segundo a Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (SMADS), o Núcleo de Convivência do Idoso é um serviço de proteção social, convivência e fortalecimento de vínculos aos idosos. O objetivo dos NCIs é contribuir para o processo de envelhecimento saudável, desenvolvimento da autonomia, da sociabilidade, fortalecimento dos vínculos familiares e sociais, prevenindo situações de vulnerabilidade, risco pessoal e o isolamento. Entre as atividades oferecidas, estão exercícios físicos e educativos como dança, yoga, artesanato e canto.

Dos cerca de 12 milhões de habitantes da cidade de São Paulo, mais de 1,7 milhões são idosos, o equivalente a 14,75% da população. Hoje, existem 12.710 vagas para quem tem mais de 60 anos nos 90 NCIs do município.

O projeto de monitoramento dos NCIs

O projeto de monitoramento dos NCIs está dividido em duas etapas:  o levantamento do número de unidades existentes e em funcionamento na rede e o da qualidade dos serviços oferecidos.  “Nossa intenção é incentivar a ampliação da rede, sobretudo com a instalação de unidades nos distritos ainda não contemplados e, também, colaborar para o aperfeiçoamento dos serviços oferecidos”, explicou o coordenador do projeto no OSB-SP, Rubens Casado.

De acordo com a apuração do OSB-SP, apesar de existirem 90 NCIs em São Paulo, apenas 46 dos 96 distritos administrativos municipais da cidade contam com pelo menos uma unidade. Ou seja, em mais de 50% dos distritos não existe.

Para Casado, a segunda etapa do monitoramento, a qualitativa, será mais complexa do que a primeira, já realizada. “Isso demandará análise dos convênios ou parcerias, sobretudo quanto aos custos, atuação de campo e pesquisas comparativas sobre as atividades oferecidas aos usuários, bem como entrevistas com os idosos e funcionários. Esta fase exigirá a colaboração de mais voluntários”, afirmou o coordenador.

Desde o dia 30 de agosto, o OSB-SP vêm mandando ofícios à Prefeitura questionando o critério adotado para a seleção dos distritos que contam com os equipamentos em detrimento dos demais e se existe previsão de atendimento ao público alvo atualmente não contemplado pelos NCIs. Segundo a SMDHC, essa avaliação é de responsabilidade da Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social. O OSB-SP ainda aguarda o retorno do ofício enviado para a SMADS.

*Por: Redação OSB-SP